Portal 135

Rastros de uma ancestralidade mineira negra e festiva

18/08/2018

O Portal 135 esteve em Montes Claros para acompanhar as comemorações de Agosto. O imaginário revela muito de um tempo, um lugar e um povo. As festas populares da cidade de Montes Claros no Norte de Minas Gerais estão profundamente relacionadas aos cultos religiosos católicos. Muitos destes cultos somaram-se às tradições africanas em uma região de grande concentração de negros que viviam em quilombos, fazendas e cidades. O imaginário do Congado norte mineiro expressa esta história e estas tradições. Os Ternos de Congado de Montes Claros representados pelos Catopês, Marujos e Caboclinhos festejam e louvam Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e Divino Espírito Santo. À frente de um dos mais antigos Ternos de Catopê da cidade temos o Terno de São Benedito com o Mestre Zé Expedito. Esta dissertação tem como objetivo descrever os Catopês do Terno de São Benedito, analisando as festas de agosto, o imaginário atual e ancestral desta manifestação em Montes Claros. Propomos um percurso histórico com o foco na dramaturgia expressa nas músicas e no corpo, entendidos como elementos simbólicos que revelam os rastros de uma tradição negra norte mineira, que é forjada no estar-junto dos espaços festivos. Os Catopês revelam a ancestralidade, recriando e revivendo a memória e o imaginário Congadeiro. Os negros morenos Catopês brincam através do cantar, do rezar, do dançar, do tocar e do estar junto nas ruas do sertão norte mineiro no mês de agosto.

 

Malveira, Ricardo Ribeiro